11 novembro 2016

“O ÍDOLO” Estreia dia 8 de Dezembro


Candidato da Palestina ao Oscar 2016 foi exibido na 40a Mostra Internacional de Cinema

Dirigido por Hany Abu-Assad (Paradise Now – Oscar de Melhor Filme Estrangeiro), O ÍDOLO é baseado na incrível história real de Mohammad Assaf, vencedor do Arab Idol 2013. O filme foi escolhido para representar a Palestina no Oscar 2016 e estreia dia 8 de dezembro, distribuído pela California Filmes.

Mohammad é um garoto de Gaza que sonha em cantar na Ópera do Cairo para que o mundo ouça sua voz. De alguma maneira ele consegue escapar da prisão que é Gaza e chegar até as audições em Cairo para o
Arab Idol, o programa de talentos mais famoso da região. Conforme avança para as fases finais da competição, ele deve confrontar seus próprios medos para tomar as rédeas de seu destino e trazer esperança e felicidade para toda uma região. A plateia assistirá Mohammad passar por uma jornada para mudar de vida.


PALAVRAS DO DIRETOR

Eu sempre me pergunto por que quero fazer um filme e gastar quase dois anos da minha vida trabalhando duro para completa-lo. No caso de O Ídolo, a resposta era clara e simples. A história desse jovem rapaz, Muhammad Assaf, é uma história tão incrível que até alguém como eu estava mais animado para ele ganhar o Arab Idol do que por mim mesmo, que três semanas antes tinha ganho o Prêmio do Júri da Um Certo Olhar no Festival de Cannes. Eu fui flagrado pela câmera no meio de milhares de pessoas reunidas na praça em Nazaré para ouvir o resultado final de Arab Idol; eu estava pulando de empolgação como um menino, e eu não experimentava esse tipo de animação há muito tempo. Quando Ali Jaafar me ofereceu a chance de dirigir a história de Muhammad Assaf, meus braços ficaram completamente arrepiados. Soube na hora que faria tudo para transformar essa história em um grande filme.

Eu vejo O Ídolo como uma história de luta e da vontade de sobreviver sob circunstâncias extremas. É uma história de esperança e sucesso de um casal de irmãos que são capazes de transformarem suas desvantagens em vantagens, o impossível no possível, que vieram do nada e superaram todas as expectativas, derrotaram a pobreza, a opressão e a ocupação. Eles têm a habilidade de converter feiura em beleza, o que no final é o poder por trás de toda arte e o combustível para florescer a esperança.

Eu vejo O Ídolo na tradição de Zorba, o Grego, mas com o estilo de Quem Quer Ser um Milionário?. O filme terá a honestidade de Entre os Muros da Escola, a energia de Billy Elliot, a determinação de Um Sonho de Liberdade, mas terá seu humor e alma únicos.
 
Hany Abu-Assad
17 de outubro de 2014


Nenhum comentário: