12 fevereiro 2009

Elisabeth Hartmann Ganha Biografia na Coleção Aplauso


A atriz Elisabeth Hartmann sempre esteve no lugar certo na hora certa. Foi assim quando fez seu primeiro desfile ainda no banco em que trabalhava como secretária. Foi assim também quando, num café em São Paulo, Mazzaropi a convidou para estrelar o primeiro dos sete filmes que fez com ele. Esses e outros acasos, histórias da infância e da carreira são contadas pela gaúcha ao padre Reinaldo Braga em “Elisabeth Hartmann – A Sarah dos Pampas.
Recheado de humor, o livro traz em detalhes toda a trajetória da atriz nascida na década de 30, mas que não revela a idade. “Não vou especificar o ano porque de repente quem lê vai pensar assim: ela é irmã da Dercy Gonçalves! Uma brincadeira em homenagem a essa grande atriz que passou dos 100 anos de idade. Por isso digo: nasci na década de 30”.

Elisabeth Hartmann atuou no teatro, cinema e televisão. Desfilou para grandes estilistas e estampou capas de revistas. Foi dirigida e atuou com grandes nomes das artes brasileiras como Cacilda Becker, Nydia Licia, Walter Hugo Khouri, Mazzaropi, Ruth Escobar, Cassiano Gabus Mendes, Carlos Zara, Ivani Ribeiro, Geraldo Vietri e tantos outros.

Em quatro encontros no mês de junho de 2008, a atriz abriu sua caixa de memórias a Reinaldo Braga, que a viu pela primeira vez nas novelas da Tupi. “Guardo na memória sua atuação como Tetê em A Barba Azul, como Hilda sendo cortejada por um divertido Marcos Plonka em O Bom Baiano, como a madastra de Cinderella 77, no seriado A Casa Fantástica, que eu achava superinteressante. E, já adolescente, lembro-me da alemã dona da pensão em Olhai os Lírios do Campo, novela da TV Globo”, conta o autor.

Um comentário:

Anônimo disse...

Beth é minha amiga e, brilhantemente já me dirigiu no teatro. Estive no lançamento de sua biografia e acho mais do que merecida a edição desse livro, não apenas por ela ser a delicadeza em pessoa, mas pela importância de todos os seus trabalhos.
Ronaldo de Castro